Seguidores

28 de out de 2012

Livros ITAÚ

ADOREI os livros!!!
É bacana pra ter em casa, pra dar de presente e até pra LER!!!
Quem ainda não pediu, PIDA. É super fácil e vale muito a pena.

3 de out de 2012

 
 
 
 
 
 
 
O CARROSSEL ENCANTADO
Autora: Tatiana Robles
Ilustrador: José Paschoal
Editora: Novo Século
 
SINÓPSE: O carrossel de um parque bem distante do castelo real contém o encanto que pode salvar o reino dominado pela invejosa feiticeira Tábata. Tábata, usando uma cruel bruxaria, conseguiu roubar o trono de seu irmão, o rei Alexandre, e de sua esposa, a rainha Catarina, impondo a todos a ditadura da tristeza, na qual as risadas, as festas, as brincadeiras e o funcionamento dos parques de diversões são proibidos. Caberá a Felipe, o principezinho perdido, descobrir o encanto que está neste carrossel, conseguir a pedra do poder – o grande diamante azul – e derrotar Tábata. Prepare-se para uma história encantadora e surpreendente!

QUEM CONTA UM CONTO AUMENTA UM PONTO:
Comecei como sempre, com a história do meu nome que me foi dado, por sugestão da minha irmã Noemia, em homenagem à uma vaca que se chamava MARIANA... Melhor que Juventina (sugestão do meu PAI) e melhor que Hemengarda (sugestão de minha mãe).

Então começamos a história:
Era uma vez, num reino muito distante, num tempo em que os animais falavam e as pessoas os entendiam... O rei Alexandre e a rainha Catarina eram muito felizes e zelosos para com o povo do reino e, consequentemente, muito amados por todos. O rei, trazia consigo uma pedra mágica capaz de tornar realidade qualquer desejo real.


Recebiam todo tipo de presentes ofertados pelos súditos mas, ainda assim, faltava alguma coisa para que a felicidade fosse COMPLETA, ABSOLUTA... Faltava-lhes um filho!!!
Quando finalmente a rainha Catarina ficou grávida, todo o povo do reino enviavam presentes e mais presentes para o futuro bebe que também já era muito amado. Até mesmo os reis de outros reinos mandavam, através de seus mensageiros, presentes valiosíssimos para a alegria de todos aqueles que esperavam dia após dia o nascimento do pequeno príncipe que se chamaria Felipe.
Quando Felipe nasceu, foi um dia de muita alegria para todos, menos para Tábata, a feiticeira má e invejosa que era irmã do rei Alexandre e vivia entediada por ver tanta alegria. A megera que queria a pedra mágica que estava em poder do rei... teve um dia uma ideia assustadora: IRIA SE LIVRAR DO REI E DA RAINHA! Tábata preparou uma sopa, colocou como ingrediente uma substância que causaria forte alegia no casal, com eles adoentados, seria mais fácil atingir seus objetivos...

E... Assim prosseguimos com a história eletrizante escrita por Tatiana Robles...





 

14 de jun de 2012

A VACA QUE BOTOU UM OVO


Tema: DIA DAS MÃES
Título: A Vaca que botou um ovo
video
Autores: Andy Cutbill
Ilustração: Russell Ayto
Editora: Salamandra
Tema Transversal: Pluralidade cultural, ética,
diversidade, amizade, amor, adoção, etc.

A Vaca que botou um ovo

Neste livro, a autora nos conta a história de uma vaca que se sentia rejeitada porque ela era a única do curral que não conseguia fazer nada de diferente (não sabia andar de bicicleta, nem plantar bananeira, como as outras vacas, também não sabia andar na corda bamba, nem cantar). Daí as galinhas, suas amigas, resolveram ajudá-la. E um dia, quando a vaca acorda, vê que tinha botado um ovo. Agora, Mimosa era a única vaca do curral capaz de botar ovos!

Mimosa vai descobrir que "ser mãe" é uma coisa extraordinária!

Essa história, cheia de dengos e mimos, traz como tema transversal a pluralidade cultural, ética, amizade, diversidade, amor, adoção, etc. A Vaca que botou um ovo nos faz refletir, repensar os nossos valores e, até quem sabe, entender que os nossos filhotes são nossos não só porque nasceram da nossa barriga ou, do nosso ovo. Mas porque nasceram em nossos corações.  
Ahhh! O ovo, rsrs, é um sabonete "FRANCIS". Tirei a marca raspando com uma faca lisa, fiz as manchas com tinta acrílica prta (pode ser tinta de tecido também) e passei duas demãos de vernis vitral para fixar a tinta. Só!!!



O LIMPADOR DE PLACAS

O texto narra a comovente história de um homem humilde, trabalhador e feliz.
Ele era limpador de placas de ruas, e ele gostava muito doque fazia. Sempre que
lhe perguntavam se faltava alguma coisa em sua vida,ele dizia de peito aberto:
 - Não. Não falta nada em minha vida.
Até que certo dia, após terminar uma das faxinas, observa uma mãe e seu
pequenino filho lendo o nome da rua e, querendo saber quem era "Guimarães
Rosa". A mãe explicou ao garoto que Guimarães Rosa foi um dos mais importantes
escritores do Brasil. Aquele diálogo entre mãe e filho despertou-lhe a curiosidade,
pois afinal, eleque diariamente encontrava-se com tantos nomes, não sabia ainda
quem eramos personagens que davam nomes às placas.
Eram escritores, generais, aventureiros ou trabalhadores?
O homem começa a estudar e descobrir milhões de histórias e novidades a partir
dos nomes lidos, conhecendo lembranças de famílias e fatos que modificaram e
construíram o passado do país. Os autores procuram apresentar a criança para o
próprio mundo desde cedo. Mostrando que há muito que ensinar e aprender a
cada esquina, que às vezes passa despercebido. E entre tantas esquinas das grandes
cidades, estações de metrô e praças, existem nomes de brasileiros ou não, que por
seus grandes feitos, merecem ser lembrados sempre.

29 de mai de 2012

Flic Brinquedos EDUCATIVOS

Flic Brinquedos EDUCATIVOS em 26 de maio de 2012

Como sempre acontece na minha primeira vez em algum lugar:
O coração batendo forte e, na garganta. Bem perto da boca!!!
Vez ou outra, eu precisava me fixar no chão, como uma ESTACA.
As pernas bammmmbas queriam me derrubar...

O CATADOR DE PENSAMENTOS

Reconhecimento da área, do público... que era bem infantil para a história escolhida.
 Respirei fundo e, comecei desde quando o Sr. Rabuja nasceu, num país onde as pessoas só queriam profissões que oferecessem títulos importantes como: Doutor, Meritíssimo, Excelência, etc.
Então, o Presidente passou a DESIGNAR as pessoas, desde crianças, para os mais variados cargos.

Teve ATENÇÃO, INTERAÇÃO, ACOLHIMENTO, ESPERA...
Uma "espera DESESPERADA" que a história acabasse.

CURIOSIDADE...
...

...

Foi uma experiência difícil. Eu, "ELIANA-Ser" brigando com a atriz-contadora de histórias
que mora em mim... O tempo todo, todo o tempo.  

 
Enfim, o tããão esperado momento:  A MALA!!!


DESCOBRIMENTO


...
...
INDECISÃO

...MARAVILHAMENTO (palavra recém-inventada)

...
...O "COMPARTILHAR"
ESCOLHA...
DESFRUTAR...
USUFRUIR...

 

23 de mai de 2012

Bia de Neve

(Dia 19 de maio de 2012) Niver da BIA

Fui convidada para um aniversário infantil. A BIA é sobrinha do meu genro e completou 4 anos.
Fui... Chegando lá, os demais convidados esperavam "A Contadora de Histórias"!!!
Carammmmba!!! E agora??? Eu estava sem figurino, sem a minha mala, os meus "recursos"...
Então, pedi uma panela com tampa e uma folha de papel.



Acontece que a aniversariante, os convidados e a família esperavam a história tema da festa: Branca de Neve! A BIA havia acabado de ganhar uma boneca e, não queria separar-se da mesma. Então, com muito jeito, pedi o Bb (quando a BIA me deu o bb, eu percebi  a CONFIANÇA!), passei para o colo da avó, com todo o cuidado que um bb precisa e merece, rsrs, Isso causou uma certa admiração nas crianças pequenas e grandes. Olhares atentos, muitas bocas abertas... Ah, e não me esqueci de recomendar à avó: Cuidado "ela" acabou de mamar, pode arrotar!


Contei a história da Branca de Neve, desde antes de ela nascer. Falei do pente envenenado que a madrasta levou pra menina e, ao colocar o pente nos cabelos ela desmaiou. Depois falei da fita... A Madrasta amarrou a fita com tannnta força que Branca desmaiou. Então, novamente os anões chegaram e livraram a menina da fita, ela despertou. Depois chegou o tããão esperado momento: "o momento MAÇÃ". Em uma nova tentativa, a Madrasta levou uma maçã envenenada.
Branca de Neve mordeu a maçã e... DESMAIOU!
A BIA desmaoiu tão bem desmaiada que todos nós ficamos encantados!
Neste momento, do DESMAIO da BIA, senti que mais que confiar: Ela acreditou... Se entregou... Ela, a BIA de Neve, realmente mordeu a maçã!!! A maçã estava envenenada e a ela desmaiou...

Foi muuuito pra lá de bom!

Nesse momento, eu senti que havia uma comunhão entre mim e a BIA (minha parceira de cena) que estabeleceu uma comunicação entre "nós ATRIZES" e o público que era muito bacana.

Continuei: Então, mais uma vez os anões chegaram e... Algumas crianças até se levantaram pra diser:
-NÃÃÃO!!! O Príncipe chegou... (demonstraram preocupação com a BIA desmaiada)
-Sim, sim. Isso mesmo! Então o Príncipe chegou, deu um leve beijo na BIA de Neve e ela despertou. Os se enamoraram, se casaram e foram felizes para sempre!!!

A BIA de Neve sabia, ela tinha certeza que o Príncipe viria acordá-la com um beijo.
Foi isso.
Tudo de improviso mas, com a generosidade, verdade ou fé cênica que a BIA me ajudou a transmitir, tivemos a possibilidade de olhar as pessoas e criar uma verdade para nós e para o público.
Tudo correu muito bem. Dava a impressão que a gente tinha ensaiado, rsrs.

PARABÉNS!!! MARIA BEATRIZ DE CARVALHO MOURA MATUNAGA

Ahhh, e com a panela contei a história "O segredo da Lagartixa"
de Letícia Dansa e ilustrações de Salmo Dansa 

Alguns segredos devem ser guardados para sempre? A lagartixa Flozô achava que sim. Mas um fato excepcional mudou seu modo de pensar e ... ela não se arrependeu!
Com a folha de papel, cortei em formato de coração e coloquei dentro da panela. O coração cheio de amor pra dar, era o grande segredo da Lagartixa Flozô.









15 de mai de 2012

O Catador de Pensamentos

“O Catador de Pensamentos”



O livro “O Catador de Pensamentos” mexe com a fantasia de adultos e crianças. Ele conta a história de um velhinho chamado Senhor Rabuja que todas as manhãs percorre as ruas recolhendo todo o tipo de pensamento. Pensamentos bonitos, feios, barulhentos, silenciosos, leves, pesados, inteligentes, bobos, compridos, curtos... Afinal, os pensamentos devem se renovar! E para isso, o Senhor Rabuja planta os pensamentos que se transformam em flores e depois saem voando, colorindo o céu. Ele faz isso para que os pensamentos se renovem e assim nunca deixem de existir.

A principal intenção da autora é ressaltar a importância de “renovar” os pensamentos. Ao contrário do que muitos pensam mudar de ideia é coisa de gente inteligente, gente que pensa que está disposta a mudar de caminhos, experimentar novos sabores, novos cheiros, lugares, ritmos... Dar-se o privilégio de desfrutar de novas companhias, enfim.

Permitir que os pensamentos se transformem seja em flores ou, em bolhas de sabão ou ainda em frases que serão repetidas incansavelmente por outras pessoas que querem e gostam de compartilhar até mesmo “os pensamentos”.  

5 de mai de 2012

Releitura: O CACHORRO - Gustavo Rosa


^
Este painel está a venda!!!

Tema: O Cachorro
Técnica: OST / com Textura
Data: 01/2012
Dimensão: 80X100
 Artista:
Eliana Cavalcanti
Releitura: Gustavo Rosa
 Valor: R$ 150,00

Obs: Frete por conta do comprador 

Este trabalho abaixo, é o original

13 de mar de 2012

Projeto: Dia das Bruxas

Depois de ganhar o beijo da princesa, o sapo vira príncipe; porém, após o casamento, ele não vivem felizes para sempre. Assim que assume o trono, o ex-sapo começa a abusar do poder e todos perceberm como é implicante e mandão. A negligência, o autoritarismo e a alienação, aqui tratados de forma divertida, são questões que vão dar o que pensar.


Se você tem medo de pesadelos, minha dica é ler o livro Sonho de Bruxa, da editora Girafinha. Nele você acompanha a noite de Mariana, uma menina que sonhava repetidamente com bruxas assustadoras. Mas ela deu um jeito nisso.

8 de mar de 2012

A COR DA TERNURA editora FTD



Há dias terminei de ler o livro A COR DA TERNURA editora FTD trata-se de memórias infantis da autora Geni Guimarães.


Narrado em primeira pessoa, em linguagem despretensiosa, focando cenas cotidianas de um ambiente rural, o livro encanta pelas passagens que conduzem uma criança negra da inocência infantil ao entendimento juvenil. Seu amadurecimento, experiência, surpresas, suas enfim conclusões sobre as pessoas e o mundo ocorrem de maneira delicada, porém constante e contundente. Expõem inequivocamente a discriminação explícita, o preconceito velado, as ilusões da menininha e os sonhos da mocinha. Sonhos simples e que, afinal, se realizam.

Destaque para um breve diálogo entre pai e filha:
-Pai, DEUS é negro?
-Não fia (se benze). Não diga uma blasfêmia dessa. De onde foi que ocê tirô isso???
-Ah... Porque se DEUS fosse negro, quando ele morresse você podia ficar no lugar dele. Você é tão bom!

Um Nó Na Cabeça- Rosa Amanda Strausz- FTD

Recebi um convite irrecusável: Apresentar alguns lançamentos da
Editora FTD nas Livrarias da VILA!!!
Bahhh! Adorei! Me senti honrada e, até importante, rsrs.
Um dos livros é Um Nó Na Cabeça da Rosa Amanda Strausz.
Apresentei a história do Tico no dia 28 de janeiro.
Um menino peralta que estava sempre aprontando alguma confusão.
Quando abrimos o livro, a história abriu os braços bem compridos e nos envolveu 
num abraço tããão gostoso que... Todos nós fomos morar dentro da história!
Todo mundo ficou sendo um pouco dono da história.



Num mundo muuuito distante, vive um carneiro-menino ou, um menino-carneiro.
E, como todo menino, esse menino tem um nome. O nome dele é...
- ARTHUR com "H"! Sugeriu um dos meninos presentes.
Bom, Arthur é muuuuito ocupado.
Durante o dia, Arthur faz tudo o que os outros meninos fazem. IGUALZINHO!
Ele...
-Anda de skate... (grita um garoto, levantando o braço)
-Ele solta pipa. (e as sugestões vão surgindo)
-Ele joga bola.
-O Arthur gosta de... de... de ajudar o jardineiro.
-...Toca bateria!
E assim, o nosso Arthur, menino-carneiro, ia fazendo coisas que a gente faz ou, aquilo que a gente gostaria de fazer. Mas além de todas essas ocupações, Arthur também tem um trabalho, ele é...
-Piloto de avião.
-Médico que cuida da cabeça das pessoas!
ISSO! O Arthur, piloto de avião, leva as pessoas pra voar num lugar longe, onde só se pode ir montado no sonho... E ele cuida da cabeça das pessoas, ensina as pessoas a terem imaginação pra depois conseguir sonhar!!!
-O sonho é igual um trem: em cada parte tem uma coisa... tem parte que tem pesadelo. Mas quando a gente quer sair do pesadelo, a gente pede pro maquinista abrir abrir a porta... daí a gente sai daquela parte e vai pra outra, onde não tem pesadelo!!! (isso quem disse foi a Valentina, linnnda, de 4 anos)
Quem aqui já pediu para o maquinista parar porque precisava muuuito "mudar de parte" no trem??? Rsrs...
Tem noites em que o nosso sono se esconde tão bem escondido que a gente procura ele por todo lado e não acha! Então a gente precisa que alguém ajude a gente a procurar o sono. É nessa hora que o Arthur vem!
Ele fica numa fila de carneiros, esperando a vez de também pular a cerca...
Mas, ele não tem paciência, então... Começa a procurar outras coisas além do nosso sono.
Ah, daí ele encontra um livro que tem uma história bacana que a gente gosta; encontra uma música guardada e esquecida na nossa lembrança... álbuns com fotos de pessoas de quem a gente tá com saudade...

E assim, Arthur, o menino-carneiro que tem Um Nó Na Cabeça foi trazendo lembranças boas que embalam o nosso sono, os nossos sonhos, a nossa realidade... Arthur, foi fazendo aparecer sorrisos. Ai, ai... BOMMM!
Um Nó Na Cabeça-Rosa Amanda Strausz

1 de mar de 2012

Fatos Relevantes : A história dos Três Porquinhos segundo o Lobo Mau

Fatos Relevantes : A história dos Três Porquinhos segundo o Lobo Mau
VI, GOSTEI E TROXE do blog


Cheguei agora a pouco do tribunal. O juiz deu-me ganho de causa ao condenar Cícero, Heitor e Prático a trezentos mil reais por danos morais e materiais. Cem mil para cada um daqueles malditos porcos. Também quem manda colocar o meu nome na lama por tanto tempo, fazendo com que gerações e mais gerações aprendessem uma história repleta de mentiras absurdas sobre o que aconteceu naquela manhã de setembro.
Não nego que aprecio carne de porco. É um dos meus pratos prediletos, sobretudo se assado num fogão à lenha. Mas daí afirmar que eu queria comer aqueles três míseros porcos, isso já é demais. Primeiro porque o trio era muito amigo do meu filhote Wilber. Os quatro viviam brincando pelas redondezas, inclusive lá em casa, onde, se eu realmente quisesse, facilmente os teria devorado sem que ninguém soubesse.
Depois, porque o mais velho salvou a vida de um primo meu no verão passado, quando tentava atravessar a nado uma represa aqui perto. A partir daí fiquei amigo dos irmãos porcos, pelo menos até o dia em que inventaram aquela história de que eu tentei invadir suas casas para almoçá-los. Os autos do processo da ação indenizatória que ajuizei contra eles mostram outra versão dos fatos. Senão, vejamos.
Morávamos todos próximos uns dos outros, numa clareira localizada no extremo norte da Floresta Azul. Após três semanas sem chover na região, o verde da mata começou a dar lugar a uma folhagem seca, que, a qualquer sinal de fogo, poderia desencadear um incêndio devastador.
Preocupado com a situação, resolvi estocar água e comida que fossem o suficiente para mim e meus filhotes passarmos, no mínimo, três meses sem sair de casa. Ainda tive a iniciativa de ajudar alguns vizinhos a fazer o mesmo, sobretudo os jabutis e as preguiças, por razões óbvias.
E não deu outra. Um homem vindo da cidade andou cá por estas bandas, deixando cair da janela do seu possante (adivinha!) uma ponta de cigarro acessa. Algumas horas depois o fogo começou a tomar conta da parte leste da Floresta, matando tudo que era tipo de planta e bicho.
Após uma hora, o incêndio chegou ao sul onde felizmente já estávamos de sobreaviso. Fui um dos primeiros a avistar a fumaça aproximando-se de nossas cabeças. Para piorar, o vento soprava barbaridade, ajudando a espalhar as chamas. Então resolvi ir de porta em porta avisar aos meus vizinhos da catástrofe que estava prestes a acontecer.
Tudo ia relativamente bem, até que, por infelicidade minha, resolvi bater na porta de Heitor. Não sei por cargas d’água, ao me ver pela fresta da porta, o porco mais novo e mais preguiçoso dos três começou a gritar. Para completar, a ventania que servia de combustível para o incêndio (e não o meu assopro que mal apaga vela de aniversário) abalou a frágil estrutura da sua casa, feita, a contragosto do irmão Prático, de palha, fazendo com que o leitão saísse correndo como um louco até a casa de Cícero, seu irmão mais novo.
Não percebi, entretanto, que aquela gritaria tivesse sido originada em razão da minha presença. Assim, corri atrás de Heitor, indo bater na porta do outro porco, pedindo – vejam só quanta ingenuidade de minha parte – para que procurassem um outro abrigo. Também ali o vento bateu forte, derrubando metade da casa de tábua em que se escondiam. Assustados, saíram em disparada até a sólida residência de Prático, o porco mais inteligente da família.
Dando-me por vencido, resolvi voltar para minha toca, a fim de preparar meu filhote para fugir dali o quanto antes, quando, de repente, vi um lobo, ao que parecia bastante jovem, na casa de Prático, junto aos irmãos porcos. Imediatamente pensei: “Meu Deus! Wilber está aí dentro correndo perigo. Preciso fazer alguma coisa antes que seja tarde demais!”.
Desesperado, bati na porta da casa de Prático com toda a minha força, sem saber que os malditos porcos estavam também desesperados com a minha presença. Impedido de entrar para pegar meu filhote, resolvi dá uma de Papai Noel. Com muito esforço – já não era mais aquele jovem de outrora – subi telhado acima, para, em seguida, descer cuidadosamente pela chaminé da casa.
Acontece que os danados dos leitões colocaram um imenso caldeirão fervendo bem na descida da chaminé, onde eu caí e, por pouco, não morri afogado. Em seguida, com o couro pegando fogo, saí correndo feito um maluco porta a fora, gritando e pedindo por socorro. A dor era tanta que só me lembro de ter olhado de soslaio a procura do meu filho e ter encontrado, para alívio meu, apenas um lobo de pelúcia.
Minutos depois reencontrei Wilber, em nossa toca, chorando pela minha ausência. O fogo já havia se alastrado floresta adentro e estava a poucos metros de onde estávamos. Mesmo sem condições físicas, consegui colocar meu “bambino” nas costas (só de pensar me arrepio da dor que senti) e saí atrás de um lugar seguro.
Esse foi o maior incêndio da história da Floresta Azul. A fauna e a flora do local ficou em ruína. Das casas existentes, apenas uma ficou de pé: a do porco Prático. Graças a sua estrutura bem reforçada, ela continuou quase que inabalável depois do desastre. Temo, entretanto, que o seu dono tenha de vendê-la para pagar a indenização que ganhei na Justiça pelos danos suportados por mim e, principalmente, pelo meu filhote.
Hoje, cego e entrevado numa cadeira de rodas, não guardo qualquer mágoa dos três irmãos porcos. Nem fico triste quando ouço os adultos contando erroneamente a história que acabei de narrar. Só não gosto de ser chamado de “Lobo Mau”, já que eu nunca tive maldade em meu coração nem nas minhas atitudes. Como disse ao juiz na audiência, o ruim dessa história não sou eu nem os porcos que quase acabaram com a minha vida.

Afinal de contas, não somos nós que colocamos fogo em nossas matas, destruindo frágeis ecossistemas, seja por descuido, como foi o presente caso, ou pelo dinheiro, como o é na maioria das vezes.

19 de fev de 2012

IBIRAPUERA

Em 08/09/2011 as 16:00 horas me apresentei no Shopping Ibirapuera.



Fazendo a divulgação dos Livros: Mega mente, Mega Mal, Mega Azul, Mega Genial e Eu Sou Megamente ambos da Editora Caramelo.

Sinópse:


Conheça Megamente, o mais brilhante supervilão que o mundo já conheceu! E também o mais fracassado... Neste livro, ele conta como tem sido sua vida desde a chegada a Metrocity, quando ainda era um bebê vindo de um planeta distante, das tentativas de pôr fim a Metroman, o amado herói da cidade, e de como, finalmente, conseguiu se livrar dele de uma vez por todas. Também explica por que teve de criar um novo herói para a cidade — Titã —, que acabou se tornando um vilão mais terrível que o próprio criador...


18 de fev de 2012

Pet a esperta

Um breve resumo da apresentação da história "Pet a Esperta" no shopping Cidade Jardim em 11/02/2012

Preparado o cenário para a história "Pet, a Esperta" de Lilia Iasi, saí pelo corredor do shopping a convidar as famílias a virem assistir à apresentação.
Também dei algumas voltas pela loja e, comecei como sempre, com a história do meu nome.
Acesos os sorrisos nos rostos de pequenos e grandes, chega a hora de Pet a Esperta.
Assim como nós, Pet também "começou" no coração de alguém. Depois foi para a cabeça e virou projeto, e depois se tornou real.
A ideia, o projeto, a realização desse projeto deu tão certo que Pet virou um sucesso!
Ela nasceu no meio de pessoas que gostavam muito dela e esperaram bastante tempo até que ela chegasse.
Pet era aninhada, acarinhada... o tempo todo e, gostava muito disso.
Quem aqui A-DO-RA um carinho? Adora se esparramar num colo bem aconchegante pra ouvir uma história antes de dormir, ou pra ouvir uma música, ou pra ser acarinhado?
(Muitas mãozinhas pra cima, muitos sorrisos nos rostinhos, muitos pares de olhinhos brilhantes...)
Quando a lata de Lixo Reciclável virou com a força do vento, Pet caiu no chão e foi levada pela água.
Depois de muito correr e percorrer um longo caminho pelo esgoto sujo, se sentindo perdida, sem saber o que iria acontecer com ela... Pet chegou a um rio.
No rio, ao ver um peixinho engasgado com um saco plático, ela percebe que o peixe está numa situação pior ainda que a dela!!!
O peixinho tinha se perdido dos pais, estava longe de casa, sozinho e ainda sem conseguir respirar! Pet, o ajudou tirando o plástico de sua boca... Ele foi embora felizzz!
Ao chegar num lugar cheio de muito lixo e um montão bem grande de outras garrafas como ela, Pet e todas as outras garragas foram "resgatadas" por um catador de "material reciclável" foram levadas a um grande depósito, lá receberam um bom banho e ficaram limpinhas novamente. Passaram por um processo de "desfazimento" e... Foram feitas novamente mas, desta vez, já não eram garrafas pet's... eram tecido!!!
Os tecidos que nasceram das garrafas, serviram para fazer roupas.
É. Isso mesmo! ROUPAS.
Roupas de frio, de calor.... e até roupinhas para bonecas!!!

12 de fev de 2012

Projeto: ADOÇÃO

Oi. Tô de assunto novo, pra variar.
Bom, estava vendo na TV (REDE TV) o programa ACONTECEU e,
a reportagem abordava o tema ADOÇÃO que eu A-M-O-O-O-O
indicado na reportagem, adicionei aqui alguns títulos de livros infantis
sobre ADOÇÃO e, recomendo que visitem também...

Então você chegou... e a família ficou completa!
Lisa é uma menina muito esperta. Sabe andar de patinete, adora desenhar, brincar de amarelinha ou jogar memória com a mãe. E não dispensa a companhia do seu gato, Conrado, ou do coelho de estimação. Mas tem dia que ela não está com muita vontade de brincar. Às vezes, por exemplo, está pensativa, querendo alguma coisa... É que Lisa adora ouvir sua própria história, que é muito especial.
Então, chegada a sua hora favorita do dia ? de tardezinha, quando os pais terminam o trabalho ?, lá vão todos para o sofá. Lisa busca seu álbum de fotos, para que a mãe conte a história de como seu pai, sua mãe e ela (e o gato Conrado e o coelho) formaram uma linda família.
Com belíssimas ilustrações de Almud Kunert e um texto de grande sensibilidade, este livro conta a história de uma adoção. Delicadeza à parte, seu enfoque prático é de grande valia no tratamento de um tema ainda de difícil abordagem. Por todos esses méritos, Então você chegou... e a família ficou completa! foi agraciado com o título de Livro do Mês pela Academia Alemã de Literatura Infanto-juvenil.
O Livro Magico Da Bruxinha Nicolau

Durante seiscentos anos, a bruxinha Nicolau ficou esquecida em seu casulo dentro de uma gruta. Um dia o casulo se rompeu, a bruxinha veio ao mundo e foi encontrada por um casal que a adotou, desconhecendo sua natureza de bruxa. Tantas foram as esquisitices que ela inventou, que seus novos pais, com o tempo, acabaram se acostumando e achando tudo normal. Na festa de seu aniversário, Nicolau conheceu Zé Maria, um garoto que não acreditava em coisas sobrenaturais. Então, para convencer o novo amigo e também para conhecer as próprias origens, ela foi com ele ao centro da Terra, onde os dois encontraram a Livraria do Tempo e tiveram surpreendentes revelações sobre o passado, o presente e o futuro.

Que maravilha!! Deus, num toque de mágica abriu a portinha da imaginação para que esta emocionante historinha de Maria Estrelinha, pudesse num misto de carinho, ternura e sinceridade, pular para o papel. Confesso que se tivesse lido essa historinha antes, teria desta forma contado aos meus filhos. Quantas ESTRELAS ficam perambulando pelo céu, sem saber como contar ou até mesmo pensando se devem contar.


Dona Estrela e João Estrelão dão a receita para que Estrelinhas saibam sim a verdade, de forma encantadora e convincente. Márcia, a você fortes doses de amor, e com certeza nos reencontraremos no céu para brilharmos ainda mais, iluminando o mundo com a idéia da ADOÇÃO.

DIÁRIO AO CONTRÁRIO

Eduardo é um adolescente que, embora não goste muito de escrever e ache que “diário é coisa de menina”, um dia sente vontade de registrar por escrito momentos marcantes de sua vida. Essa vontade aparece depois que o maior de todos os seus sonhos se realiza. Assim, nasce o diário ao contrário!
Dudu volta no tempo e vai relembrando os acontecimentos dos últimos meses até chegar no dia 24 de dezembro, véspera de natal, quando ele recebe o maior de todos os presentes: uma família!

10 de fev de 2012

Projeto: Dia da BRUXA

Onde tem bruxa tem fada.....
Bartolomeu Campos Queirós
Esta é uma história de fadas, mas uma história diferente. Numa linguagemextremamente poética,
o autor conta a história de uma fada que volta para o mundo de hoje –
que não tem mais lugar para as fadas. Os mágicos – ou bruxos e bruxas –
 fazem parte da alegoria que, sutilmente, critica aqueles que não sabem sonhar,
que trocam afantasia e os desejos puros por necessidades fomentadas artificialmente,
que só concebem um mundo registrado, carimbado, controlado.
As próprias crianças, acostumadas a isso, nem sabem mais identificar seus desejos.
Embora seja uma crítica perspicaz ao mundo moderno, o texto felizmente nos mostra um
contraponto e uma luz de verdadeira esperança: o fato de que nos sonhos –
ou seja, intimamente –, as crianças sabem que a fantasia é possível e necessária,
que o encantamento é mais importante do que a magia.
Além de propiciar um belo trabalho com a linguagem, o livro
abre portas para discussões fundamentais para aquele que será o adulto de amanhã.

Projeto: Dia do irmão

Meu Irmão - Toquinho

Meu irmão,
Faz muito tempo faz
Que eu não te canto
Uma canção.
Que eu não te conto uma aventura,
Um sonho, uma ilusão.
Que eu não me sento calmamente
Junto com você.
O tempo passa...

Meu irmão,
Comigo os dias normalmente
Cumprem sua função
Entre sinuca, futebol,
Amor e violão.
Mas quando o tempo escurece,
Vêm os temporais,
E nem blasfêmias, crenças, preces
Não ajudam mais,
E a gente perde a paz...
Aí eu lembro de você
E essa lembrança me agiganta.
Me faz vencer a dor
E quando caio me levanta.
Me faz conter o tempo
E põe o mundo inteiro
Em minhas mãos...

Você meu grande herói,
Mais poderoso que o inimigo.
Você, constante amigo,
Meu distante companheiro.
Você, que o tempo inteiro
Não tem medo do perigo, não.


Amor inteiro para meio - irmão
Autor : Cristina Agostinho

Lelena era filha única até receber uma noticia que teria um irmaozinho ( Dogaberto ). Quando dogoberto masceu Lelena foi até a cidade para conhecer o irmaozinho, e no começo ela não queria aceitar o seu irmaozinho, mais com o tempo que ela foi ficando com perto dele ela começa a gostar, ela o amava mas não sabia só com muita paixão que ela foi descobrindo aos poucos. E no fim ela não queria desgrudar do irmão


JOÃO E MARIA
Autor(es): RUTH ROCHA

"Conta de novo!" Quem conhece as crianças, sabe: quando gostam de uma história, querem que ela seja repetida tantas vezes quantas houver alguém disposto a ler ou contá-la novamente. Esta série reúne alguns dos mais populares contos de fadas, recontados por Ruth Rocha de maneira simples, mas encantadora, de forma que as crianças bem pequenas possam acompanhar a narrativa. As bonitas ilustrações e o formato grande criam um clima especial, envolvendo ouvintes e leitores no mundo mágico criado por estas histórias.

12 de jan de 2012

Fátima fiandeira

Em uma ilha perto de Creta vivia Fátima e seu pai um grande fiandeiro que trabalhava para o rei da Grécia. Eles eram muito felizes e tinham um padrão de vida muito bom .

Um dia o pai de Fátima recebeu um chamado do rei para irem até Creta a fim de executarem alguns serviços para ele. Então o grande fiandeiro disse "Fátima nosso patrão nos aguarda em Creta preparasse para viajarmos e encontra-lo".
O barco então parte da ilha e os dois vão de encontro ao rei.
Mas o mar é traiçoeiro e uma grande tempestade atinge a embarcação e Fátima fica naufraga indo parar em Alexandria e seu pai vem a falecer.
Fátima então pensa "O que farei agora meu pai esta morto e eu naufraga aqui nesta terra desconhecida".Mas a sorte sorri para Fátima e ela é encontrada por um casal de tecelões que a adotam como filha.
Então podemos dizer que Fátima mas uma vez encontra a felicidade, agora aprendendo o ofício de tecelã e com seus novos pais.
Fátima, então recebe mas uma virada em sua vida. Ela passeava alegremente quando bárbaros , invadem sua aldeia e a seqüestram-na vindo ela a ser levada para o mercado de escravos em Istambul.
O mercado de escravos era um lugar sujo mas com muitas tendas e pessoas. Havia então um grande e próspero serralheiro que construía mastro para navios e viu Fátima sendo vendida como escrava e sentiu grande pena dela.E pensou "Essa menina não me parece uma escrava; vou comprá-la e faze-la de criada para minha esposa". E assim o fez.
Mas chegando na ilha de Java onde morava o serralheiro descobriu que estava falido , pois um grande carregamento de seus mastros havia sido roubado. E então Fátima , o serralheiro e sua mullher começaram a trabalhar sozinhos para reconstruir sua fortuna; pois o serralheiro não tinha mais dinheiro e seus antigos empregados o abandonaram.Fátima trabalhou com tanta vontade que seu patrão lhe devolveu a liberdade e ela se tornou seu braço direito. O serralheiro conseguiu se reerguer e Fátima estava de novo feliz e realizada.
Um dia o patrão pediu a Fátima "Você é meu braço direito leve um carregamento de nossos mastros até a Índia e negocie-os pelos melhores preços pois confio em você".E ela carregou o navio e partiu para seu destino.
Mas o traiçoeiro mar mas uma vez usou seus poderes e numa enorme tempestade o navio naufragouvindo Fátima vir parar na China.
Mas uma vez sem nada Fátima pensou: "Porque só comigo toda vez que estou feliz vem algo e destrói minha felicidade.
"Mas sem desistir continua andando até chegar numa aldeia chinesa.Mas acontece que na China havia uma profecia que chegaria uma mulher estrangeira que construiria uma grande tenda para o imperador.
Chegando a aldeia uma aldeã diz para Fátima marcar uma audiência com o imperador e assim ela o faz.
Chegando o dia o imperador pergunta:"você pode me construir uma tenda."E Fátima diz que podia.
E então começa a tarefa.Mas para construir a tenda ela precisava de uma corda hiper-resistente, mas não havia este tipo de corda na China. E então relembrando o tempo que vivia com seu pai , o grande fiandeiro ela recolhe o material necessário e ela mesma fia a corda.
Para se construir a tenda ela precisava de um tecido muito resistente.Mas naquela época não existia tal tecido na China. Então relembrando o tempo que viveu com o casal de artesões recolheu o material necessário e ela mesma teceu o tecido de grande resistência.
A tenda precisaria de mastros para poder ser levantada. Mas nesse tempo não existiam mastros resistentes na China. Ela relembrou que sabia fazer tal mastros pois havia trabalhado com um grande serralheiro; e assim ela mesma os construiu.
Mas qual o formato da tenda. E então ela relembrou do formato das grandes tendas do mercado de escravos e assim ela por fim ergueu uma grande e imponente tenda para o imperador .
O imperador muito agradecido por ela ter cumprido a profecia perguntou-lhe o que queria; e esta respondeu que apenas queria viver na China.
Então ela encontrou um grande príncipe e casou-se com ele vindo então a encontrar a sua verdadeira e douradora felicidade.Fátima então entendeu que todos os sofrimentos de sua vida lhe serviram para ela aprender e enfim levantar a grande tenda que era sua verdadeira felicidade.



http://casadebabayaga.blogspot.com/2007/09/ftima-findeira.html

As notícias e o mel

As notícias e o mel (Marina Colasanti /Uma idéia toda Azul)


Um dia o rei ficou surdo.
Não como uma porta, mas como uma janela de dois batentes.
Ouvia tudo do lado esquerdo, do direito não ouvia nada. A situação era incômoda.
Só atendia aos Ministros que sentavam de um lado do trono. Aos outros, nem respondia.
E até mesmo de manhã, se o galo cantasse do lado errado, Sua Majestade não acordava e passava o dia inteiro dormindo.
Foi quando mandou chamar o gnomo da floresta, e o gnomo, obediente, apareceu na corte.
Veio voando com suas asinhas, tão pequeno que, embora todos estivessem avisados da sua chegada, quase o confundiram com um inseto qualquer.
Chegou e logo se entendeu com o rei, estabelecendo um trato. Ficaria morando no ouvido direito e repetiria para dentro, bem alto, tudo o que ouvisse lá fora.
Tendo asas, e desejando, poderia aproveitar seu parentesco com as abelhas para fabricar, no ouvido real, alguma cera e um pouco de mel.
O trato funcionou às mil maravilhas. Tudo o que o gnomo ouvia, repetia em voz bem alta nas cavernas da orelha, e o eco e a voz do gnomo chegavam até o rei, que passou a entender como antigamente, de lado a lado.
Correu o tempo.
Rei e gnomo, assim tão vizinhos, foram ficando cada dia mais íntimos.
Já um sabia tudo do outro, e era com prazer que o gnomo gritava, e era com prazer que o rei ouvia o zumbidinho das asas atarefadas no fabrico da cera e domel.
Uma certa doçura começou a espalhar-se do ouvido real para a cabeça, e o rei foi ficando aos poucos mais bondoso. Um certo carinho foi se espalhando da caverna real para o gnomo, e ele foi ficando aos poucos mais bondoso.
Foi essa a causa da primeira, mentira.
O Primeiro Ministro deu uma má notícia no ouvido esquerdo, e o gnomo, não querendo entristecer o rei, transmitiu uma boa notícia no ouvido direito.
Foi essa a primeira vez que o rei ouviu duas notícias ao mesmo tempo.
Foi essa a primeira vez que o rei escolheu a notícia melhor.
Houve outras depois. Sempre que alguma coisa ruim era dita ao rei, o gnomo a transformava em alguma coisa boa. E sempre que o rei ouvia duas notícias escolhia amelhor delas.
Aos poucos o rei foi deixando de prestar atenção naquilo que lhe chegava do lado esquerdo.
E até mesmo de manhã, se o galo cantasse desse lado e o gnomo não repetisse o canto do galo, Sua Majestade esquecia-se de ouvir e continuava dormindo tranqüilo até ser despertado pelo chamado do amigo.
De um lado o mel escorria. Do outro chegavam as preocupações, as tristezas, e todos os ventos maus pareciam soprar à esquerda da sua cabeça.
Mas o rei tinha provado o mel e a doçura era agora mais importante do que qualquer notícia. Entregou o trono e a coroa para o Primeiro Ministro. Depois chamou o gnomo para junto da boca e murmurou-lhe baixinho a ordem.
Obediente, o gnomo voou para o lado esquerdo e, aproveitando seu parentesco com as abelhas, fabricou algum mel, e abundante cera, com que tapou para sempre o ouvido do rei.

http://casadebabayaga.blogspot.com/2007/09/as-notcias-e-o-mel-marina-colasanti-uma.html

Maquiagem artesanal

Maquiagem artesanal


Materiais:
◦amido de milho margarina
◦corantes alimentícios de cores diferentes
◦potinhos para mistura
◦colheres

Procedimentos:
1°: Colocar em um potinho uma colher de margarina e duas colheres de amido de milho. Misturar bem até formar uma pasta.
2°: Despejar na pasta algumas gotinhas de corante alimentício de uma cor e mexê-lo com a colher para colorir toda a pasta.
3°: Repetir o mesmo procedimento para fazer pastas de outras cores. Se quiser pode despejar na pasta corante de duas cores, pois eles vão se misturar formando uma outra cor.

Atenção: Deve-se fazer um teste antes de usar a maquiagem artesanal, para verificar se a pessoa que vai usá-la não tem nenhuma reação alérgica. Para isso, coloque um pouco da pasta em uma região do braço e espere algum tempo, depois de retirar a pasta observe se a região não ficou vermelha ou irritada. Se não houve nenhuma reação então é hora de experimentar a maquiagem artesanal no rosto, criando diferentes personagens, podendo usar também acessórios, como óculos, nariz e peruca para completar a brincadeira!

http://mundodaleitura.upf.br/programa/oficina/ver.php?numero=141