Lia Silva

Eventos Sociais / Datas Comemorativas / Histórias da Tradição oral / Contos de Fadas / Contos Maravilhosos / Folclore /História Oral/ Narrada / Dramatizada ou Teatralizada
Qualquer motivo é um bom motivo para uma Contação de Histórias: início das aulas, início das férias, dia do livro, dia do índio, dia das mães, dia dos avós, dia dos pais, dia das crianças, dia das bruxas, natal... Até mesmo as mudanças das estações do ano... Pode-se usar HISTÓRIAS para abordar assuntos importantes e complicados como a morte, bullying, desastres naturais, etc.

26/08/2013

LUTO

 
Esta é minha mãe.
 
 
Esteve dodói por um período, passou por grande sofrimento.
Enfim, descansou neste dia 19 de agosto de 2013.
Restou-me agora a saudade, além é claro, da certeza de que
tudo tem o seu tempo de ser, acontecer...
Como diria Rúben Alves:
Ela estava leve demais para as coisas daqui e então,
foi para um lugar onde tudo é leve.
 
Estou triste. Muito triste.
Coração pesado. Tão pesado que não suporto...
Mas sei que um dia, também ficarei leve e daí a gente se encontra.
 

28/10/2012

Livros ITAÚ

ADOREI os livros!!!
É bacana pra ter em casa, pra dar de presente e até pra LER!!!
Quem ainda não pediu, PIDA. É super fácil e vale muito a pena.

10/02/2012

Projeto: Dia do irmão

Meu Irmão - Toquinho

Meu irmão,
Faz muito tempo faz
Que eu não te canto
Uma canção.
Que eu não te conto uma aventura,
Um sonho, uma ilusão.
Que eu não me sento calmamente
Junto com você.
O tempo passa...

Meu irmão,
Comigo os dias normalmente
Cumprem sua função
Entre sinuca, futebol,
Amor e violão.
Mas quando o tempo escurece,
Vêm os temporais,
E nem blasfêmias, crenças, preces
Não ajudam mais,
E a gente perde a paz...
Aí eu lembro de você
E essa lembrança me agiganta.
Me faz vencer a dor
E quando caio me levanta.
Me faz conter o tempo
E põe o mundo inteiro
Em minhas mãos...

Você meu grande herói,
Mais poderoso que o inimigo.
Você, constante amigo,
Meu distante companheiro.
Você, que o tempo inteiro
Não tem medo do perigo, não.


Amor inteiro para meio - irmão
Autor : Cristina Agostinho

Lelena era filha única até receber uma noticia que teria um irmaozinho ( Dogaberto ). Quando dogoberto masceu Lelena foi até a cidade para conhecer o irmaozinho, e no começo ela não queria aceitar o seu irmaozinho, mais com o tempo que ela foi ficando com perto dele ela começa a gostar, ela o amava mas não sabia só com muita paixão que ela foi descobrindo aos poucos. E no fim ela não queria desgrudar do irmão


JOÃO E MARIA
Autor(es): RUTH ROCHA

"Conta de novo!" Quem conhece as crianças, sabe: quando gostam de uma história, querem que ela seja repetida tantas vezes quantas houver alguém disposto a ler ou contá-la novamente. Esta série reúne alguns dos mais populares contos de fadas, recontados por Ruth Rocha de maneira simples, mas encantadora, de forma que as crianças bem pequenas possam acompanhar a narrativa. As bonitas ilustrações e o formato grande criam um clima especial, envolvendo ouvintes e leitores no mundo mágico criado por estas histórias.

12/01/2012

Fátima fiandeira

Em uma ilha perto de Creta vivia Fátima e seu pai um grande fiandeiro que trabalhava para o rei da Grécia. Eles eram muito felizes e tinham um padrão de vida muito bom .

Um dia o pai de Fátima recebeu um chamado do rei para irem até Creta a fim de executarem alguns serviços para ele. Então o grande fiandeiro disse "Fátima nosso patrão nos aguarda em Creta preparasse para viajarmos e encontra-lo".
O barco então parte da ilha e os dois vão de encontro ao rei.
Mas o mar é traiçoeiro e uma grande tempestade atinge a embarcação e Fátima fica naufraga indo parar em Alexandria e seu pai vem a falecer.
Fátima então pensa "O que farei agora meu pai esta morto e eu naufraga aqui nesta terra desconhecida".Mas a sorte sorri para Fátima e ela é encontrada por um casal de tecelões que a adotam como filha.
Então podemos dizer que Fátima mas uma vez encontra a felicidade, agora aprendendo o ofício de tecelã e com seus novos pais.
Fátima, então recebe mas uma virada em sua vida. Ela passeava alegremente quando bárbaros , invadem sua aldeia e a seqüestram-na vindo ela a ser levada para o mercado de escravos em Istambul.
O mercado de escravos era um lugar sujo mas com muitas tendas e pessoas. Havia então um grande e próspero serralheiro que construía mastro para navios e viu Fátima sendo vendida como escrava e sentiu grande pena dela.E pensou "Essa menina não me parece uma escrava; vou comprá-la e faze-la de criada para minha esposa". E assim o fez.
Mas chegando na ilha de Java onde morava o serralheiro descobriu que estava falido , pois um grande carregamento de seus mastros havia sido roubado. E então Fátima , o serralheiro e sua mullher começaram a trabalhar sozinhos para reconstruir sua fortuna; pois o serralheiro não tinha mais dinheiro e seus antigos empregados o abandonaram.Fátima trabalhou com tanta vontade que seu patrão lhe devolveu a liberdade e ela se tornou seu braço direito. O serralheiro conseguiu se reerguer e Fátima estava de novo feliz e realizada.
Um dia o patrão pediu a Fátima "Você é meu braço direito leve um carregamento de nossos mastros até a Índia e negocie-os pelos melhores preços pois confio em você".E ela carregou o navio e partiu para seu destino.
Mas o traiçoeiro mar mas uma vez usou seus poderes e numa enorme tempestade o navio naufragouvindo Fátima vir parar na China.
Mas uma vez sem nada Fátima pensou: "Porque só comigo toda vez que estou feliz vem algo e destrói minha felicidade.
"Mas sem desistir continua andando até chegar numa aldeia chinesa.Mas acontece que na China havia uma profecia que chegaria uma mulher estrangeira que construiria uma grande tenda para o imperador.
Chegando a aldeia uma aldeã diz para Fátima marcar uma audiência com o imperador e assim ela o faz.
Chegando o dia o imperador pergunta:"você pode me construir uma tenda."E Fátima diz que podia.
E então começa a tarefa.Mas para construir a tenda ela precisava de uma corda hiper-resistente, mas não havia este tipo de corda na China. E então relembrando o tempo que vivia com seu pai , o grande fiandeiro ela recolhe o material necessário e ela mesma fia a corda.
Para se construir a tenda ela precisava de um tecido muito resistente.Mas naquela época não existia tal tecido na China. Então relembrando o tempo que viveu com o casal de artesões recolheu o material necessário e ela mesma teceu o tecido de grande resistência.
A tenda precisaria de mastros para poder ser levantada. Mas nesse tempo não existiam mastros resistentes na China. Ela relembrou que sabia fazer tal mastros pois havia trabalhado com um grande serralheiro; e assim ela mesma os construiu.
Mas qual o formato da tenda. E então ela relembrou do formato das grandes tendas do mercado de escravos e assim ela por fim ergueu uma grande e imponente tenda para o imperador .
O imperador muito agradecido por ela ter cumprido a profecia perguntou-lhe o que queria; e esta respondeu que apenas queria viver na China.
Então ela encontrou um grande príncipe e casou-se com ele vindo então a encontrar a sua verdadeira e douradora felicidade.Fátima então entendeu que todos os sofrimentos de sua vida lhe serviram para ela aprender e enfim levantar a grande tenda que era sua verdadeira felicidade.



http://casadebabayaga.blogspot.com/2007/09/ftima-findeira.html

As notícias e o mel

As notícias e o mel (Marina Colasanti /Uma idéia toda Azul)


Um dia o rei ficou surdo.
Não como uma porta, mas como uma janela de dois batentes.
Ouvia tudo do lado esquerdo, do direito não ouvia nada. A situação era incômoda.
Só atendia aos Ministros que sentavam de um lado do trono. Aos outros, nem respondia.
E até mesmo de manhã, se o galo cantasse do lado errado, Sua Majestade não acordava e passava o dia inteiro dormindo.
Foi quando mandou chamar o gnomo da floresta, e o gnomo, obediente, apareceu na corte.
Veio voando com suas asinhas, tão pequeno que, embora todos estivessem avisados da sua chegada, quase o confundiram com um inseto qualquer.
Chegou e logo se entendeu com o rei, estabelecendo um trato. Ficaria morando no ouvido direito e repetiria para dentro, bem alto, tudo o que ouvisse lá fora.
Tendo asas, e desejando, poderia aproveitar seu parentesco com as abelhas para fabricar, no ouvido real, alguma cera e um pouco de mel.
O trato funcionou às mil maravilhas. Tudo o que o gnomo ouvia, repetia em voz bem alta nas cavernas da orelha, e o eco e a voz do gnomo chegavam até o rei, que passou a entender como antigamente, de lado a lado.
Correu o tempo.
Rei e gnomo, assim tão vizinhos, foram ficando cada dia mais íntimos.
Já um sabia tudo do outro, e era com prazer que o gnomo gritava, e era com prazer que o rei ouvia o zumbidinho das asas atarefadas no fabrico da cera e domel.
Uma certa doçura começou a espalhar-se do ouvido real para a cabeça, e o rei foi ficando aos poucos mais bondoso. Um certo carinho foi se espalhando da caverna real para o gnomo, e ele foi ficando aos poucos mais bondoso.
Foi essa a causa da primeira, mentira.
O Primeiro Ministro deu uma má notícia no ouvido esquerdo, e o gnomo, não querendo entristecer o rei, transmitiu uma boa notícia no ouvido direito.
Foi essa a primeira vez que o rei ouviu duas notícias ao mesmo tempo.
Foi essa a primeira vez que o rei escolheu a notícia melhor.
Houve outras depois. Sempre que alguma coisa ruim era dita ao rei, o gnomo a transformava em alguma coisa boa. E sempre que o rei ouvia duas notícias escolhia amelhor delas.
Aos poucos o rei foi deixando de prestar atenção naquilo que lhe chegava do lado esquerdo.
E até mesmo de manhã, se o galo cantasse desse lado e o gnomo não repetisse o canto do galo, Sua Majestade esquecia-se de ouvir e continuava dormindo tranqüilo até ser despertado pelo chamado do amigo.
De um lado o mel escorria. Do outro chegavam as preocupações, as tristezas, e todos os ventos maus pareciam soprar à esquerda da sua cabeça.
Mas o rei tinha provado o mel e a doçura era agora mais importante do que qualquer notícia. Entregou o trono e a coroa para o Primeiro Ministro. Depois chamou o gnomo para junto da boca e murmurou-lhe baixinho a ordem.
Obediente, o gnomo voou para o lado esquerdo e, aproveitando seu parentesco com as abelhas, fabricou algum mel, e abundante cera, com que tapou para sempre o ouvido do rei.

http://casadebabayaga.blogspot.com/2007/09/as-notcias-e-o-mel-marina-colasanti-uma.html

04/12/2011

Projeto: Dia Internacional das Pessoas com Deficiência


O Perseverante Soldadinho de Chumbo
O Perseverante Soldadinho de Chumbo foi publicado por primeira vez em 1838 e marcou a carreira de Hans Christian Andersen por ser sua primeira obra não baseada em contos do folclore local.

22/11/2011

Projeto "Consciência Negra"

Galinha Preta, A - Martina Schlossmacher
A galinha preto era a única no galinheiro que botava ovos diferentes, em forma de coração,
de estrela, de meia-lua. Por isso, todas as outras galinhas a desprezavam. Mas o coelho da Páscoa
ficou encantado com seus ovos. Resolveu pintá-los e mandá-los para o rei.
E a galinha preta acabou sendo convidada para morar no palácio.


A menina vermelha
Tereza Yamashita e Luiz Bras

Quem tem o direito de decidir qual a cor da nossa pele?
Íris é uma menina cheia de imaginação, que sempre gostou de desenhar e pintar. Ela ama as linhas e as cores.
Mas seu mundo fica ao contrário quando ela conhece Siri, outra menina que também adora desenhar e pintar. O mais incrível é que Siri mora no mundo-dentro-do-espelho. Ela é o reflexo de Íris.
Juntas, elas e seus amigos vão lutar contra o preconceito de um tirano grosseiro e mal-humorado. E você vai descobrir que as pessoas podem ser azuis, verdes, laranjas, violetas, vermelhas... Enfim, de muitas cores!





Arca de ninguém
Mariana Caltabiano


Vocês já devem ter ouvido a história do Noé, um bom velhinho que construi uma imensa arca para abrigar os bichos de toda aquela chuvarada que foi o dilúvio. Sabem de quem eu tô falando, né? Pois, vocês não imaginam a confusão que foi para convencer todos eles a ficarem juntos! Colocar rato, gato e cachorro no mesmo barco, não é fácil. E o tigre que não suportava o leão, por este ser muito exibido, se achando o "rei da selva". E quem iria agüentar o dormir com os porcos ao lado, já pensou no mal cheiro?Essa historinha é sobre as diferenças e como lidar com elas!



O Planeta Lilás - Ziraldo

Um planeta (muito) especial e cheio de surpresas

Ziraldo escreve de uma forma simples e encatadora! Qualquer criança-criança ou criança-crescida se apaixona pelo livro. Afinal, quem não gosta de surpresas?! A história do bichinho que vivia no planeta lilás é doce e uma delícia de se ler!Um bichinho tão pequenininho que não dava para ser visto nem com uma lente de aumento. Ele queria conhecer algo mais do que seu monótono planeta lilás. Constrói uma nave espacial e sai numa aventura cheia de suspresas.









As tranças de Bintou
Autor: Sylviane A. Diouf Menina Bonita do Laço de Fita - Ana Maria Machado
Ilustração: Shane W. Evans
Tradução: Charles Cosac
Texto de orelha: Omar Ribeiro Thomaz

As tranças de Bintou é um dos maiores sucessos do catálogo infantojuvenil da Cosac Naify, adquirido pelo governo brasileiro para equipar bibliotecas públicas e adotado em dezenas de escolas de todo o país. A nova edição contém texto de orelha do antropólogo e professor da Unesp Omar Ribeiro Thomaz. A autora Sylviane A. Diouf, estudiosa da cultura e da história da África, nos apresenta Bintou, uma menina negra que não se contenta com seus birotes no cabelo e sonha usar tranças como sua irmã mais velha. A história encanta pela maneira cuidadosa e doce com que trata, a partir de um contexto cultural específico, um momento universal: a passagem da infância para a adolescência. Um livro que nos revela a beleza de cada fase da vida e nos permite repensar o Brasil por meio dos costumes africanos.


Um coelho branco apaixonado por uma criança negra. Isso é possível? Sim, e a comprovação está nas páginas do livro Menina bonita do laço de fita, de Ana Maria Machado. Nosso coelhinho, aliás, vai além: quer também ter a pele escura, igualzinha à da linda menina.

O simpático coelhinho faz de tudo para conseguir seu intento: entra numa lata de tinta preta, come jabuticabas até passar mal e toma inúmeras xícaras de café. Tudo em vão!

Entretanto, quando a lindíssima mãe da criança entra em cena, tudo se explica para o curioso animal. Daí para a frente, o coelho segue um caminho natural que o leva a se aproximar cada vez mais de sua admirada criança negra e do seu objetivo de ter os pêlos escurecidos.

Além do caráter lúdico de sua criação, a autora coloca em cena, nesta obra, diversos aspectos muito debatidos nos dias de hoje, como a auto-estima das crianças negras e a fraternidade inter-racial. Razão suficiente para tornar Menina bonita do laço de fita um excelente livro infantil, com alta dosagem de sensibilidade.