Seguidores

4 de jul de 2018

«- A Mara é orelhuda!
- Mãe, tu achas que eu sou orelhuda?
- Não, filha. Tens é orelhas de borboleta.
- E como são as orelhas de borboleta?
- São orelhas que revoluteiam na cabeça e pintam as coisas feias de mil cores.»
Ter as orelhas grandes, o cabelo rebelde, ser alto ou baixo, magro ou rechonchudo... até a mais insignificante característica pode ser motivo de troça entre as crianças. Por isso é necessário um livro que demonstre a todos, tanto àqueles que fazem como àqueles que recebem algum comentário depreciativo, que esse tipo de comportamento é reprovável.

30 de jun de 2018

Este livro infantil fala de maneira evidente sobre a negligência de uma criança por seus pais. Percebemos que a mãe e o pai de Bernardo não lhe dão a devida atenção por meio do texto escrito e também através da ilustração.
O menino tenta contar aos pais que têm um monstro no jardim, mas nenhum deles dá atenção, respondendo simplesmente: agora, não Bernardo. A história nos mostra que até um simples oi é respondido com esta mesma frase.

13 de jun de 2018

Sinopse

Esta é a história da amizade de Lino, um porquinho, e Lua, uma coelhinha branca. Eles vivem juntos em uma loja de brinquedos. Um dia, Lua desaparece e Lino, ao buscar por sua melhor amiga por toda parte, acaba tendo uma grande surpresa.

11 de jun de 2018

O Brasil que veio da África


A saga de um jovem rei africano e seu antigo escravo, agora na condição de cativos no Brasil. Romance juvenil com referências históricas, tem como tema principal o protagonismo negro na luta e conquista da liberdade, em ambientes que vão de senzalas a quilombos, de vilas a fazendas. Histórias de amor, solidariedade, amizade, ambição se misturam em uma trama na qual as heranças culturais africanas são mostradas em seu nascedouro.
Kalinda, a princesa que perdeu os cabelos e outras histórias 
“Os contos populares africanos me devolvem as raízes do mundo. E trazem (imaginariamente) as vozes ancestrais para sussurrarem nos meus ouvidos.” Neste surpreendente livro, o renomado autor e ilustrador Celso Sisto traz diversos contos do continente africano, por meio dos quais o leitor poderá explorar a riqueza da cultura dos diferentes povos que lá vivem.


1 de jun de 2018

a-mariposa-azul-lenda-oriental-crianças A
A Mariposa Azul
Lenda Japonesa 

Conta uma lenda japonesa que há muitos anos, um homem ficou viúvo e ficou responsável pelas suas duas filhas. As duas meninas eram muito curiosas, inteligentes e sempre tinham ânsia em aprender. Por isso, perguntavam muito ao seu pai. Às vezes, o seu pai poderia responder-lhes sabiamente, mas outras vezes não sabia o que responder. 
Vendo a inquietação das duas meninas, ele decidiu enviá-las de férias para conviver e aprender com um sábio, o qual vivia no alto de uma colina. O sábio era capaz de responder a todas as perguntas que as pequenas lhe faziam sem sequer duvidar. 
No entanto, as duas irmãs decidiram fazer-lhe uma pergunta para ‘pegar’ o sábio, para medir a sua sabedoria. Buscaram uma pergunta que este não fosse capaz de responder. 
- Como podemos enganar ao sábio? Que pergunta poderíamos fazer-lhe que não seja capaz de responder? – perguntou a irmã mais nova para a mais velha. 
- Espere aqui, logo eu te mostrarei – disse a irmã mais velha. 
A irmã mais velha saiu ao monte e regressou por volta de uma hora. Tinha o seu avental fechado em formato de um saco escondendo algo. 
- O que você tem aí? Perguntou a irmã pequena. 
A irmã mais velha meteu sua mão no avental e lhe mostrou para a irmã uma linda mariposa azul. 
- Que linda! O que vai fazer com ela? 
- Já sei o que vamos perguntar. Vamos a busca dele e eu esconderei essa mariposa na minha mão. Então eu perguntarei ao sábio se a mariposa que está em minha mão está viva ou morta. Se ele responder que ela está viva, eu apertarei minha mão e a matarei. Se ele responder que ela está morta eu a deixarei livre. Portanto, responda o que for a sua resposta será sempre errada. 
Aceitando a proposta da irmã mais velha, ambas as crianças foram em busca do sábio. 
- Sábio – disse a mais velha – Você poderia dizer se a mariposa que está em minhas mãos está viva ou morta? 
Ao que o sábio com um sorriso sarcástico respondeu: ‘Depende de você. Ela está em suas mãos’.

FIM

23 de dez de 2014